EnglishPortugueseSpanish

NOSSO

BLOG

O que é um Japamala

Japamala é um cordão sagrado feito de contas, usado para ajudar o praticante de meditação a entrar no estado meditativo.

A palavra Japamala tem origem no sânscrito onde Japa significa o ato de sussurrar ou murmurar repetidamente mantras, orações ou nomes de divindades e Mala significa guirlanda, cordão ou grinalda.

Um Japamala é geralmente composto por 108 contas e o “meru”. Uma conta de “meru” ou “guru” é uma conta extra, geralmente maior e indica o ponto inicial e final das contas de oração. Essa conta também é chamada de sumeru (“muito exaltado”), stupa (“cume”) ou bindu (“ponto”).

Também é possível encontrar Japamalas menores, variando de 27 ou 54 contas, todas subdivisões de 108. Segundo a filosofia Yogue, ao se completar o circuito de 108 repetições da oração, mentalização ou mantra, alcança-se um estágio superior na consciência chamado de transcendental (o estágio que ultrapassa as fixações da mente, mantendo a consciência concentrada em si mesma). É um objeto antigo de devoção espiritual, e no ocidente é conhecido também como rosário.

Meditação com Japamala

De acordo com a filosofia do Yoga, a meditação com uso de Japamala assim como a repetição de mantras tem sido usada por séculos como ferramenta poderosa para curar, elevar a consciência espiritual, acalmar, centrar, e colaborar na evolução espiritual a fim de caminharmos na busca do melhor de nós.

Como se usa

Já com a postura e a respiração controladas e relaxadas, o meditante segura seu Japamala com uma das mãos. Apoiando-o em seu dedo médio, usa o polegar para puxar cada uma das 108 contas; cada vez que o mantra ou o nome da divindade é mentalizado ou pronunciado, puxa-se uma conta. O dedo indicador não deve tocar as contas do japamala, pois é considerado um dedo sujo que aponta e julga, também representa o ego e está associado ao pensamento – e o objetivo da meditação é justamente o de suspender a ação do pensamento. O meru não deve ser contado como as demais 108 contas, porque é a representação de Brahman, do absoluto, de nosso aspecto eterno e imutável e por isso está fora da roda do samsara, entretanto é o meru que marca o início e o final do ciclo do Japamala. Terminando a passagem pelas 108 contas, caso o praticante queira continuar e fazer mais uma volta, não deve passar por cima do meru; em vez disso, deve virar o cordão e continuar a fazer o japa na direção inversa. Para surtir efeito, a prática da meditação deve ser frequente.

Materiais

Sementes de rudraksha

Entre os inúmeros materiais dos quais podem ser feitos um japamala, o mais famoso são as sementes de rudraksha, também conhecida como lágrimas de Shiva, planta nativa da Ásia. Também está associado a Buda. Segundo a crença indiana, Buda recebeu sua iluminação enquanto meditava sob uma árvore de rudraksha. A partir desta crença, foram atribuídas à rudraksha propriedades medicinais que vão desde o controle do estresse e redução de problemas circulatórios até a cura de doenças mais severas. O Japamala feito de Rudraksha está ligado a uma energia destruidora, forte e protetora.

Sândalo
O Japamala de Sândalo é leve, feita de madeira da árvore sagrada da Índia, que é muito usada para fazer as estátuas das divindades, portões de templos devido às suas associações espirituais. Também liberta um aroma muito suave e característico, dizem ser a fragrância que Deus nos deu para acalmar a mente. Está ligada ao Deus Brahma. Um dos mais importantes usos do sândalo é sedar o sistema nervoso, controlando o nervosismo, ansiedade, insônia e, até certo ponto, reduzindo as dores nervosas. Os pesquisadores constataram que ele relaxa as ondas cerebrais. O sândalo também é um afrodisíaco poderoso. De acordo com a mitologia, o sândalo crescia originalmente apenas nos jardins do céu. Propriedades terapêuticas do sândalo: antidepressivo, anti-inflamatório, antifúngico, sedativo.

Tulsi
Tulsi é a madeira mais adorada adorada na Índia e a mais sagrada na tradição hindu, dizem ser a reencarnação em forma de planta (manjericão) da Deusa Lakshmi, numa das suas visitas no plano terrestre, e incorpora a beleza da flora e da fauna do último ser da floresta espiritual, Vrindavana, por isso a planta ser tão adorada. Este material é conhecido pelos poderes curativos da Alma e do Físico, e também da abertura a devoção e ao amor divino. Ligada a várias divindades, como Ram, Vishnu, Krishna, Radha e Lakshmi, esta Japa Mala tem diversas potencialidades energéticas,

Sementes de açaí
Na tradição indiana, a confecção dos japamalas geralmente é feita com sementes de rudraksha. Para “tropicalizar” a tradição milenar indiana e tornar o japamala algo mais acessível à realidade e cultura brasileira, é possível encontrar japamalas confeccionados com sementes de açaí.

Energizando o seu Japamala

Caso você não consiga elaborar o seu próprio Japamala, você pode comprá-lo e assim que o você o receber faça uma energização no objeto que agora será seu.

Sente em um local limpo e calmo, de preferência no seu cantinho de meditação com seus cristais e incensos.

Respire fundo 3 vezes, se concentre e peça sabedoria e intervenção superior durante todo o processo.

Se você já tiver algum mantra que goste, repita-o enquanto estiver energizando o seu Japamala.

Use um incenso para transmutar a energia do cordão, passando-o em volta do seu japamala enquanto escuta ou canta o seu mantra favorito.

Ao finalizar, deixe o Japamala no seu cantinho especial, trate-o o com carinho e tenha em mente que ele possui uma grande carga de energia canalizada por você e essa energia só aumentará com o uso do mesmo em suas meditações e repetições de mantras.

também pode ser usado para ornar imagens de divindades e como colar de proteção.

Quem utiliza o Japamala?

O Japamala é amplamente usado em muitas religiões e sistemas filosóficos como budismo, yoga, hinduísmo, jainismo e algumas tradições sikh.

Budistas Tibetanos – O mala é um elemento religioso de destaque, ajudando a limpar a mente. Para eles a repetição desses sons sagrados, ajuda abrir o coração para o amor e a compaixão.

Católicos – Utilizam o rosário ou “terço” para fazer as orações. O rosário possui 50 contas separadas de dez em dez por outra conta maior, e seus extremos se unem em uma cruz. Somando 54 contas.

Umbanda e Candomblé – As contas são feitas de pedras ou materiais naturais, e cada pessoa tem o seu rosário particular, condicionado com as cores correspondentes ao nível de desenvolvimento espiritual e à vibração energética. Segundo eles, servem para proteger e manter boas energias.

Sufismo e Islamismo – O tasbi, como é conhecido o rosário mulçumano, pode ser feito de madeira, madrepérola, metais e pedras preciosas, com ricos significados dentro da astrologia islâmica, contem 99 ou 33 contas.

Esta gostando do conteúdo? Compartilhe.

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Diga-nos o que você achou

Olá, Visitante

Olá, Visitante

BUSCA

Toda a loja com

30% off

Cód. Cupom: KUANIN

Nas compras acima de R$300,00

Valido até 31/12/2020